Publicado em 20 de abril de 2018 às 12:23

A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) de Araçatuba realizou um curso de capacitação para brigadas contra o Aedes aegypti, na manhã desta terça-feira (17), no anfiteatro do Siran, localizado no Recinto Clibas De Almeida Prado.

O evento, promovido pelo Comitê Institucional de Mobilização contra o Aedes, em parceria com a Sucen e as secretarias municipais, apresentou os brigadistas de cada secretaria e o projeto, que consiste em manter vigilância das arboviroses e diminuir a infestação do Aedes aegypti.

O Comitê Institucional de Mobilização contra o Aedes em Araçatuba, que tem como presidente o servidor municipal Roberto Batista, tem a função de propor estratégias com a finalidade de acompanhar e propor medidas necessárias para implementação das ações intersetoriais de prevenção e controle ao Aedes aegypti. A mesa diretora da abertura do curso foi formada pelo presidente Roberto Batista, a agente técnica de saúde da regional de Araçatuba da Sucen, Tânia Suto, o prefeito Dilador Borges, o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Petrônio Lima, e o diretor de Vigilância Sanitária e Epidemiológica, Alexandre Cândido Alves, que representou a secretária municipal de Saúde, Carmem Silvia Guariente.

Em sua saudação, o prefeito Dilador Borges valorizou o empenho dos participantes. “Agradeço por dedicarem-se e estarem se capacitando para a formação das brigadas. De todos nós, governo e população, depende a segurança de nossa cidade e a prefeitura está sempre se preparando para fazer a nossa parte”.

O curso é parte da proposta da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, por intermédio da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), de implantação de brigadas em prédios públicos municipais, apresentada para o Comitê de Mobilização contra o Aedes, em 9 de março de 2018, este formado por representantes das secretarias municipais de Araçatuba.

A vigilância e o controle do Aedes aegypti em prédios públicos têm por objetivo reduzir ou eliminar o risco de proliferação do mosquito nestas edificações, e diminuir o risco de ocorrência de casos de doenças transmitidas pelo inseto.

De acordo com o decreto estadual 62.130 de 29/07/2016, deverão ser criadas, em todos os órgãos e entidades da administração direta, indireta e fundacional, equipes de trabalho denominadas “Brigada contra o Aedes aegypti”, composta de, no mínimo, 3 (três) servidores, a serem designados por seus dirigentes, que atuarão no respectivo órgão. Em imóveis desocupados, caberá ao responsável pela sua administração providenciar equipes de trabalho volantes, para a realização das medidas previstas neste Decreto. É recomendado que cada edificação pública tenha uma brigada e a atividade deve ser realizada de forma rotineira durante o ano todo.

A brigada deve vistoriar periodicamente, em caráter permanente, o imóvel onde se localiza o órgão público, de forma a eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti; Identificar áreas que requerem cuidado constante por meio de mapa de risco da edificação como um todo; atuar de forma preventiva, indicando providências que devem ser adotadas pelo órgão público para eliminar possíveis focos de proliferação do mosquito; divulgar ao público interno informações educativas sobre medidas para manter o ambiente livre de focos; divulgar para o público externo informações educativas sobre cuidados com o ambiente doméstico para prevenção das Arboviroses.

Além do treinamento realizado, foi também função do comitê nomear os brigadistas, elaborar o Mapeamento de Risco de proliferação do mosquito, promover vistorias semanais com registros e digitação no sistema Sigelu (Sistema de Gestão de Limpeza Urbana).

A avaliação será realizada quadrimestralmente no comitê onde cada secretaria, ou grupo de secretarias, apresentará como esta sendo feito o monitoramento do Mapa de Risco do prédios onde está locada.

A Sucen elaborará relatório das equipes de brigadistas, através dos indicadores do sistema Sigelu e Sisaweb, onde estarão as informações da equipe de Controle de Vetores, podendo assim confrontar as informações com o objetivo de melhorar as condições sanitárias daquele local.

O relatório será encaminhado para o prefeito municipal. A equipe de IEC – profissionais da área de Informação, Educação e Comunicação divulgará, com o propósito de colocar em evidência o trabalho.