Publicado em 04 de outubro de 2017 às 18:35

Aproveitando a visita do presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (COSEMS/SP), Doutor Cármino de Souza, para palestrar sobre a Judicialização do Departamento Regional de Saúde (DRS), os representantes das secretarias regionais do COSEMS se mobilizaram para promover um encontro e apresentar ao presidente os problemas estruturais de saúde de cada região.

A reunião acontecerá às 14h no anfiteatro da Unip e receberá a presença de diversos gestores da região, como secretários de saúde e prefeitos, contando inclusive com a presença do prefeito Dilador Borges e da secretária de saúde e vice-presidente do COSEMS/SP, Carmem Guariente.

Essa será a primeira vez que um presidente do COSEMS/SP visitará Araçatuba. Durante o encontro será entregue a ele uma carta com as principais pautas a serem melhoradas, a fim de que ele leve essas questões ao secretário de estado. O conselho é quem representa as secretarias municipais na interlocução com o Estado e a União.

De acordo com a secretária de Saúde de Araçatuba e vice-presidente do COSEMS/SP, Carmem Sílvia Guariente, é de extrema importância receber a visita do presidente do conselho em nossa região, principalmente por ele intermediar as necessidades dos municípios paulistas junto aos demais entes federados. “Por se tratar de uma entidade que representa os 645 secretários municipais de saúde do estado de São Paulo, é importante aproveitar ao máximo esse encontro que é uma grande oportunidade de tentar resolver diversos problemas estruturais”, completou.

Carta

Segundo a secretária de Saúde de Araçatuba, Carmem Guariente, dentre as pautas citadas na carta que será entregue ao presidente do COSEMS/SP, Cármino de Souza, estará em destaque a dificuldade de resolução da média complexidade ambulatorial e hospitalar. Isso significa que os municípios da região, de modo geral, não têm estrutura para realizar consultas de especialidades, exames especializados e cirurgias eletivas, fazendo com que existam filas e se torne necessário encaminhar os pacientes que buscam por esses atendimentos para municípios maiores, como São Paulo. “Isso gera certo sofrimento para essa população encaminhada, além de riscos por causa da estrada”, completou.

Ainda segundo a secretária, a lei permite que os municípios apliquem até 15% de seus recursos em saúde, porém a região tem aplicado acima de 23%, chegando até mesmo a 30%. “Araçatuba tem feito investimento de 22,75%, então não há capacidade de financiamento do município além do que já é investido, por isso precisamos do intermédio do presidente do COSEMS/SP para levar essas questões ao secretário de estado”, explicou.