Publicado em 30 de março de 2020 às 11:20

A maior presença das famílias em casa por causa da quarentena pode potencializar os casos de violência doméstica. E para se antecipar aos casos, a Prefeitura de Araçatuba está reforçando o sistema de amparo às vítimas.

Para isso, a vice-prefeita Edna Flor mediou uma videoconferência, na tarde desta sexta-feira (27), com representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social, do Fundo Social de Solidariedade, do CRM (Centro de Referência da Mulher) e do Cravi (Centro de Referência e Apoio à Vítima), que é um programa da Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado.

Para respeitar a quarentena, a vice-prefeita comandou os trabalhos direto de sua casa. Ela externou a preocupação da administração com a possibilidade de crescimento da violência, levando em consideração que a maioria dos casos acontece nos finais de semana.

“É quando todos estão em casa, por mais tempo, que a violência acontece. E agora, com a quarentena, as famílias estão mais juntas. E temos que estar atentos e mais disponíveis ainda, principalmente às mulheres, que são a grande maioria das vítimas”, disse Edna.

A primeira-dama e presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Social de Solidariedade, Deomerce Damasceno, afirmou que esta junção de esforços, principalmente neste momento, é de “extrema importância”.

“Temos que estar atentos e disponíveis para acolher as vítimas e dar a elas todos os instrumentos para que possam reconstruir suas vidas. Se o momento exige maior cuidado, devemos todos nos unir ainda mais”, conclamou Deomerce.

TELEFONE

Para ajudar nas denúncias, ficou acertado que todas as instituições irão trabalhar em parceria em uma espécie de centro de acompanhamentos.

Também foi disponibilizado o número de celular (18) 99686-4904 para recebimento de denúncias. Ele ficará disponível 24 horas, todos os dias da semana. Nos próximos dias, este número passará a ser divulgado por meio das redes sociais oficiais.

“Ainda hoje, o papa Francisco disse que está na hora de todos nós ajustarmos a rotas de nossas vidas. Pensei muito nisso durante esta discussão”, afirmou a vice-prefeita.