Publicado em 03 de julho de 2020 às 08:41

A prefeitura de Araçatuba segue recuperando trechos de ruas muito prejudicadas e que vem recebendo tratamento asfáltico pelo método de reperfilamento.

Estão sendo atualmente reperfilados trechos de ruas que partem da Avenida Brasília: na rua Liberdade, até a rua Francisco Braga; na rua Venceslau Brás, até a rua Duque de Caxias; na rua Felipe Camarão, até a rua Torres Homem; na rua Miguel Caputi até a rua Bernardino de Campos, Rua Mem de Sá, até a rua Catanduva. São cerca de 1,3 Km lineares recuperados nesta etapa.

Segundo o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos de Araçatuba, Constantino Alexandre Vourlis, o reperfilamento é um processo dedicado a ruas muito danificadas, de baixo e médio tráfego, onde já não há mais possibilidade de se fazer tapa buracos, pois já perderam boa parte de sua cobertura fina. “Com uma moto-niveladora retiramos todos os remendos, trata-se os buracos que ficaram para trás, e faz-se o reperfilamento. Aplica-se uma massa com aditivo, que é distribuída com uma moto-niveladora, um rolo de pneu e um rolo chato, podendo liberar mais rápido para o trânsito, Apesar de a durabilidade de um reperfilamento ser menor, cerca de 70% da durabilidade de um recapeamento, produz um bom resultado”, esclarece.

“Nesses três anos de administração, já haviam sido executados 6 a 6,5 km de reperfilamento, com a mesma equipe que faz o tapa buraco, tendo que organizar tempo e volume de serviço para que ambos sejam feitos com qualidade”, acrescentou. “Hoje a massa asfáltica saí em torno de R$19 ou R$20 o metro quadrado, e esses reparos de menor extensão tem que ser feitos com recursos próprios, pois não há verba estadual e ou federal para esse fim. O material é o mesmo usado em tapa-buracos, mas a técnica permite uma qualidade superior e um acabamento muito melhor, que deixa a via bem nivelada, uniforme, sem ondulações e diferenças de materiais”, finaliza o secretário.

Constantino ainda registrou a manifestação de um morador antigo, há 53 anos e, Araçatuba. “Sr Luis disse que estava muito feliz, que testemunhou a pavimentação de sua rua há 46 anos e só viu fazerem tapa-buracos de lá para cá. Quando o encontrei, estava filmando e tirando fotos de tudo”, ilustrou.