Publicado em 21 de janeiro de 2019 às 09:15

A Prefeitura de Araçatuba participou, nesta quinta-feira (17), de uma videoconferência viabilizada pelo Departamento Regional de Saúde II (DRS II) para abordar os dados recentes de casos de dengue na região.

Da administração municipal, participaram a vice-prefeita Edna Flor, que representou o prefeito Dilador Borges; a enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica de Araçatuba, Priscila Cestaro, e o assessor executivo da Secretaria Municipal de Saúde, Alair Barão.

Com foco nas ocorrências da região de Araçatuba e São José do Rio Preto, foram destacadas as cidades com maiores incidência da doença. De acordo com a explanação, em dezembro de 2018, Andradina registrou 771 casos, seguido de Ilha Solteira com 175 e Pereira Barreto com 155 casos. Cidades com menos habitantes também registraram grande quantidade de casos como Castilho (95), Nova Independência (13). Guaraçaí foi o município que menos teve casos confirmados de dengue em dezembro do ano passado: foram apenas 3. Araçatuba, a maior cidade da região, não entrou na contagem de municípios com maior incidência.

Apesar dos dados alarmantes em cidades da região, Araçatuba teve redução no número de casos de dengue nos últimos anos, de acordo com levantamento da Vigilância Epidemiológica (VE) do município. Em 2010, foram registrados 11.509 casos de dengue e 6 óbitos. Já em 2017, o número baixou para 103 e, em 2018, foram registradas 47 ocorrências confirmadas. Em 2019, até a presente data, há quatro casos confirmados.

Priscila Cestaro, enfermeira responsável pela VE de Araçatuba, afirma que a administração municipal tem atuado todos os dias no combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti. “Antes, tínhamos períodos específicos em que a dengue aparecia com mais freqüência. Atualmente esse quadro mudou, sendo que em qualquer período do ano são registrados casos de dengue. Por isso, nossas ações de conscientização são ininterruptas”.

Após a participação, a vice-prefeita Edna Flor se reuniu com Priscila Cestaro e o diretor das Vigilâncias Epidemiológica e Sanitária de Araçatuba, Alexandre Alves, para encaminhamento de sugestões apresentadas durante a videoconferência.