Publicado em 05 de agosto de 2022 às 15:27

A Prefeitura de Araçatuba lança, na próxima segunda-feira (8), uma pesquisa sobre Segurança Alimentar e Nutricional com o objetivo de analisar o nível de acesso da população a uma vida alimentar adequada, suficiente e saudável.

O levantamento está sendo organizado pela CAISAN (Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar), vinculado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agroindustrial (SMDA) e será feito de forma on-line.

Qualquer pessoa residente em Araçatuba, tanto na área urbana como na área rural, poderá contribuir com a pesquisa respondendo questões relacionadas à moradia, renda familiar, frequência do consumo de determinados alimentos, acesso à água encanada, entre outros.

A participação pode ser feita através do site https://aracatuba.sp.gov.br/plamsan/ e a pesquisa ficará disponível de 8 de agosto a 8 de setembro de 2022.

As informações coletadas nessa pesquisa são para implementar a elaboração do PlamSan (Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional), organizado pela Caisan (Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional), composta por membros de secretarias do município. O PlamSan terá vigência de 4 anos.

PLANO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL – PLAMSAN

É um processo dinâmico e participativo que alinha objetivos, prioridades, estratégias e ações visando assegurar o Direito Humano à Alimentação Adequada e Soberania Alimentar no município através das políticas públicas, sem comprometer o acesso a outras necessidades. O Plamsan tem como objetivo garantir o acesso de todas as pessoas do município, sobretudo as famílias que se encontram em insegurança alimentar, a alimentos adequados, saudáveis, em quantidade suficiente, incluindo acesso a água potável.

O Plano prioriza ações e metas no âmbito de vários equipamentos municipais, tais como, aos alunos das redes escolares, famílias acolhidas pelos CRAS, Centro Pop, Fundo Social de Solidariedade, UBS e entidades assistenciais e ainda fomentar a produção da agricultura familiar e implementar os equipamentos públicos incluindo o banco de alimentos, promovendo assim condições para criação de componentes municipais necessários a participação intersetorial municipal.