Publicado em 04 de agosto de 2017 às 11:50

A Prefeitura de Araçatuba, junto ao Sindicato Rural da Alta Noroeste (Siran) e o Serviço Nacional de Aprendizado Rural (Senar), está promovendo um programa de viticultura para produtores locais.

Iniciado em maio deste ano, o programa traz nove variedades de uvas capazes de se desenvolverem na região: centenial, benitaka, itália, rubi, brasil, núbia, moscato, red globe e niagara rosada.

O foco do programa é a produção de uvas de mesa, para venda in natura e para grandes redes de supermercados. A maioria da fruta consumida na região, atualmente, vem do Paraná e Rio Grande do Sul.

A ideia é criar novas capacitações e difundir a cultura em toda a região. Quando houver uma produção razoável, também proporcionarão aprendizagem para agroindústria, para processamento de sucos e vinhos.

 

Fazendo a nossa parte

Dois agrônomos da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agroindustrial (SMDA), José Celso Sanches Junior e Yuri José de Melo Colombo, acompanham o programa para dar toda assistência e suporte ao projeto. “Consideramos que seja nosso dever dar esse suporte, para que efetivamente nos tornemos um polo produtor de uvas”, declara Arnaldo Vieria Filho, assessor executivo da SMDA.

“Nós pensamos além e nos envolvemos para dar todo apoio. A Prefeitura propõe-se a criar políticas públicas para dar sustentabilidade ao setor, correndo atrás de viabilizar condições favoráveis ao programa e para desenvolver o setor agrícola, agregar valor à produção, ajudar com compra direta, orientar e promover canais de comercialização, buscar novos cursos e programas, sempre para dar continuidade a esses projetos, que não podem, simplesmente, morrer ao fim dos cursos”, valoriza Arnaldo.

As próximas aulas serão de 23 a 25 de agosto. O módulo será sobre manejo e tratos culturais.  Daqui a quatro meses, eles estarão realizando o processo de garfagem, onde escolherão as variedades.

 

 

O Programa

O programa é composto por sete módulos e termina em dezembro. Os produtores já receberam orientações sobre a escolha da área, produção de mudas e implantação de vinhedo. O sistema adotado na propriedade-modelo, onde as aulas práticas são ministradas, é o de parreira, na qual as videiras apoiam-se em grades.

No último encontro, sobre a implantação do parreiral, realizado de 26 a 28 de julho, os participantes já realizaram o plantio de porta-enxerto.

“Estão participando as lideranças de bairro e de associações de produtores rurais. Nos próximos anos, vamos replicar o programa, para isso, teremos uma unidade-modelo, para mostrar os manejos e variedades”, conta Odenir Rossafa Garcia, instrutor do Senar.

Garcia explica que a safra da uva é anual e que cada pé produz em média 15 a 20 quilos da fruta. A área de implantação do vinhedo-modelo fica no bairro rural Córrego da Divisa, em 940m², que será composto por 150 videiras. A expectativa é de uma produção superior a uma tonelada. Embora o custo de implantação seja alto, o especialista diz que é um investimento que se dilui ao longo dos 40 a 50 anos de vida útil produtiva de cada planta. O quilo da fruta pode ser vendido no atacado entre R$ 5 e R$ 6.