Publicado em 18 de outubro de 2019 às 11:47

Segundo a diretora do Museu, Dilei Vilela, diz a lenda em torno dos caingangues, que próximo à rotatória da avenida dos Araçás, na região da Cobrac, antigamente se localizava um cemitério indígena. Para Lima, é possível que isso seja verdade, uma vez que a região devia ter na época, vários cemitérios dos caingangues.

Mesmo não havendo certeza sobre a existência de um cemitério caingangue no local, há registros oficiais que apontam a região como um cemitério dos primeiros colonizadores, criado por lei municipal de Penápolis em 1916, quando Araçatuba ainda pertencia àquele município.

O cemitério da Saudade só foi construído em 1931, na ocasião “fora do centro urbano”, como citam Odette Costa Bodstein e Célio Pinheiro no livro A história de Araçatuba.