Publicado em 11 de agosto de 2017 às 18:19

No meio do seu segundo mês de experiência, a Feira Livre dentro do Shopping Praça Nova, realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agroindustrial (SMDA) de Araçatuba, já comemora saldo positivo em seu formato inovador.

Arnaldo Vieira Filho, assessor executivo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agroindustrial, conta que a gestão de marketing do Praça Nova, apoiada em tendência crescente na capital paulista, teve o interesse de trazer a proposta para Araçatuba, transformando-a na primeira cidade de todo o interior a ter uma feira livre totalmente montada no corredor interno de um shopping center.

Apenas a barraca de pastel e o carro de caldo de cana foram instalados do lado de fora, mas imediatamente na saída mais próxima da feirinha, criando uma mini área de alimentação com acesso rápido e confortável.

“Pediram o apoio da prefeitura para buscar a legalidade e a gente já de cara topou o desafio, porque acreditamos que é importante para os produtores, feirantes e população terem mais um ponto de venda e com produtos de qualidade”, justifica Arnaldo.

Parceria forte

A prefeitura, por meio da SMDA, entrou com as ideias e orientações, desde a constituição, sobre área útil, redimensionamento das barracas, critérios de vigilância sanitária e controle de qualidade. “Para fazer uma feira diferenciada, pinçamos bons feirantes, procurando orientá-los num leque que pudesse atender o consumidor também. Tivemos várias reuniões, fizemos a sensibilização, pois a feira é noturna, num período que eles não estavam acostumados a trabalhar, e a engrenagem já começou a rodar. Agora como um polo, com mais de trinta dias, há um êxito bastante grande, todos os feirantes estão bem satisfeitos”, explica o assessor.

Luzia Aparecida Pompilio Murari, fiscal municipal da feira de rua há mais de 20 anos, fala do controle de qualidade da feirinha. Ela esclarece que o feirante já tem todo um procedimento para trabalhar. “Passam por vigilância sanitária, o produto tem que ser vistoriado, porque temos que trazer ao consumidor um produto de boa qualidade. Eu observo que o pessoal que vem ao shopping está adorando e o período que mais vende é no final do horário de funcionamento, pois o próprio pessoal que trabalha no shopping e os moradores daqui de perto aproveitam e já levam tudo para casa”, descreve.

Alma do Negócio

O projeto reúne antigos e novos feirantes e já tem chamado a atenção de muitos outros interessados em participar. O próprio shopping faz toda a divulgação, mas o boca-a-boca também funciona nas feiras livres de rua, onde os participantes divulgam que estão no shopping.

Eliana Ribeiro, gerente de marketing do Praça Nova, celebra o sucesso. “ A feira dentro do shopping é algo novo para nós. Esperávamos que fosse bem aceita, mas não que seria tão positivo como vem sendo. Escolhemos explorar o fato de este shopping ser novo, com esse espaço interno para acomodar o público. O cliente já está no shopping e a feira se integra a outros eventos e  operações, como música ao vivo e exposições de arte e fotografia, workshop com nutricionista e manipulação de alimentos, que se fosse na área externa não faríamos da mesma forma. Estamos do lado da academia, o cliente sai e de repente compra uma fruta, já é uma integração”, detalha Eliana.

“ A gente pretende crescer e já está faltando barraca! Quero reforçar muito esse conceito de parcerias, do Shopping com a secretaria (SMDA), com os feirantes e até este apoio de divulgação. Estamos vendo o pessoal engajado, percebendo que tem um saldo positivo com a união. Queremos que o pessoal venha conhecer a feira, curtir, aproveitar, queremos crescer e aparecer. Foi uma surpresa boa e deu muito certo”, celebra a gerente de marketing.

Votos de sucesso

Ainda segundo Eliana Medeiros, tanto o shopping como os feirantes tem a intenção de que a feira continue, porque “já deu certo. Tem chamado muita atenção das pessoas, pela novidade, pela qualidade dos produtos oferecidos”. Arnaldo, da SMDA reforça: “Há uma conscientização para que aqui seja uma vitrine, o espaço é menor que nas feiras de rua, para que apresentem um produto de excelência mesmo”.

José Luiz Galhardo, feirante há 30 anos, que vende frutas e legumes, testemunha: “O pessoal está gostando, estão comentando pra todo lado. No começo tínhamos medo de não dar certo, hoje dá dó de parar. As frutas são mais caras que os legumes mas vendem mais e a gente está cortando em pedacinho, para experimentar, e o povo está levando”.

 Alexandre Cristiano Barcelos, vendedor há um ano e feirante há 4 meses, de biscoito e pães especiais, valoriza. “Lugar fechado climatizado e higiênico. Agradeço a diretoria do shopping por ter lançado a feirinha, pois é um incentivo a mais para o feirante e novidade para o pessoal do shopping”.

Rômulo Silva Pinto, representante de fábrica de doces caseiros, produziu todas as barracas da feira, tem projetos de quiosques e displays, agrega as propostas e aproveita a oportunidade. “É perceptível o encantamento das pessoas, todo mundo está começando a vender bem e ainda só estamos acabando de implantar o conceito”, comemora.

Terezinha, Keitty e Emily, cuja família trabalha há 30 anos em feiras e 2 anos com trailer de pastelaria e salgados, pensa grande e coletivo. “Está fazendo sucesso, mas esperamos que aumente o número de barracas e mais pessoas possam participar”.