Publicado em 11 de abril de 2018 às 08:46

Representantes das secretarias municipais de Educação e de Saúde de Araçatuba apresentaram, nesta terça-feira (10), uma proposta para criação do Caema (Centro de Apoio Educacional Multidisciplinar), que tem o intuito de otimizar , de forma unificada, o atendimento de alunos da rede municipal com deficiência intelectual, visual, auditiva, transtornos de desenvolvimento e com dificuldade de aprendizagem, e crianças com altas habilidades (superdotados) e com transtornos mentais. A proposta informa que o Caema atenderá crianças de 0 a 11 anos.

Participaram da reunião o prefeito Dilador Borges; a vice-prefeita Edna Flor; o presidente da Câmara, Rivael Papinha; as secretárias de Educação e de Saúde, Silvana de Sousa e Souza e Carmem Silvia Guariente; representantes dos conselhos municipais da Educação, Saúde, Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), Comdica (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente) e Conselho Tutelar.

A apresentação do projeto foi feita pela dirigente do Departamento de Educação Especial Inclusiva da Secretaria Municipal de Educação, Andréa Melinsky, e pelo Diretor do Departamento de Assistência Especializada da Secretaria Municipal de Saúde, Paulo Ernesto Geraldo.

Para a secretária de Educação, Silvana de Sousa e Souza, o atrelamento das secretarias nesse projeto é uma grande conquista. “O principal ganho com a junção de nossas forças é na triagem dos casos. Muitas vezes a criança fica na fila de espera por um atendimento especializado no Caica ou em outro órgão, e muitas vezes o caso da criança não condiz com o atendimento oferecido”.

O prefeito Dilador Borges analisou a iniciativa positivamente. “Nosso objetivo como governo é sempre unir nossas secretarias em prol das pessoas, cuidar de gente. Agradeço às equipes da educação, da saúde e da assistência social, pela preocupação contínua com nossas crianças”.

Para a vice-prefeita Edna Flor, a iniciativa de projetos em conjunto é fundamental e inédita. “Foi em nosso plano de governo que já pensávamos em dar uma assistência a essas crianças. O que mais nos gratifica é ver projetos que dão condições melhores de vida para as crianças”.

A secretária municipal de Saúde, Carmem Silvia Guariente, destacou as intenções do projeto voltadas à humanização. “Estamos integrando essas pessoas a uma rede de assistência sem discriminação. Propiciando um atendimento para crianças com um problema de aprendizagem, transtornos psicossociais com diferenciação de idades”.

O projeto foi apresentado e está em processo de construção, em que serão analisados trâmites legais para a realização do mesmo.