Publicado em 12 de abril de 2017 às 14:17

O prefeito Dilador Borges e a vice-prefeita Edna Flor participaram, nesta quinta-feira (23), da solenidade do início das obras de ampliação e desassoreamento do Canal de Avanhandava, no município de Buritama. Com investimentos de R$ 203 milhões e conclusão prevista para julho de 2019, o canal vai ganhar mais 2,4 metros de profundidade em um trecho de aproximadamente 10 quilômetros da Hidrovia Tietê –Paraná até a jusante da Usina de Três Irmãos. “Nossa região ganha muito com essa obra, a possibilidade de atrair novas empresas é grande”, destacou o prefeito Dilador.

O governador Geraldo Alckmin, o Ministro do Estado dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Mauricio Lessa; Secretário de Logística e Transportes, Alberto Macedo estiveram presentes o que demonstra a grandiosidade da obra.

Alckmin disse que as obras são de caráter estruturante e que serão muito importantes para o desenvolvimento da região e do País. “Havia um gargalo aqui, em Nova Avanhandava que será resolvido com o rebaixamento do pedral”, afirmou. “O ano passado, batemos o recorde de transporte pelas hidrovias, 8,7 milhões de toneladas e acho que poderemos ir rapidamente a dois dígitos e transportar mais de dez milhões de toneladas.

O alcance dos benefícios trará reflexos positivos para a população dos diversos estados que utilizam a hidrovia para o transporte de cargas e passageiros. Serão beneficiadas as populações de Minas Gerais, Mato Grosso, São Paulo e Goiás. De quebra, a obra irá ampliar a capacidade de energia gerada pela Usina de Três Irmão.

Os benefícios também virão na forma de novos postos de trabalho. A estimativa é de que podem gerados até 1.400 empregos, dos quais 350 diretos e 1.050 indiretos.

TRECHO PAULISTA

O trecho da Hidrovia Tietê-Paraná no Estado de São Paulo é administrado pela Departamento Hidroviário do Estado de São Paulo (DH), vinculado à Secretaria de Logística e Transporte.

Em 2014, o trecho entre o Km 95,5 do reservatório de Três Irmãos e a eclusa inferior de Nova Avanhandava esteve interrompido devido à crise hídrica que afetou o Estado e prejudicou o transporte de mercadorias.

Com o retorno das operações, a capacidade de transporte de cargas foi recuperado em 20 meses. Em 2016, foram transportadas 3,2 milhões de toneladas de produtos pelo trecho paulista. Os principais produtos transportados foram a areia, a cana-de-açúcar, a soja e o farelo de soja.

Dos R$ 203 milhões que serão investidos na obra do Canal de Avanhandava, R$ 181,5 milhões são provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo estadual, e R$ 21,5 milhões do Governo do Estado.